Disputa rumo ao governo do Rio de Janeiro

Ex-jogador Romário lidera pesquisa de intenção de votos e pode vir a ocupar a cadeira principal do Palácio Guanabara

Política
Por Redação
20 de maio de 2018 - 0h01

Levantamento do Instituto Paraná Pesquisas mostra quais são os candidatos mais bem colocados na corrida pelo Governo do Estado do Rio. As candidaturas só serão oficializadas entre os dias 20 de julho e 5 de agosto, quando acontecerão as conven- ções partidárias, mas três nomes aparecem na frente: Romário (Pode), Eduardo Paes (DEM) e Anthony Garotinho (PRP). Embora ainda haja muita especulação em torno das eleições — cujo primeiro turno acontece no dia 7 de outubro —, diversos políticos já manifestaram intenção de disputar o Palácio Guanabara, foram abordados por seus partidos ou lançaram pré-candidaturas. Os principais são o ex-técnico de vôlei Bernardinho (Novo), que foi incluído na pesquisa, e o deputado Indio da Costa (PSD).

Outros nomes são o do vereador carioca Tarcisio Motta (PSOL), do ex-chanceler Celso Amorim (PT), do vereador niteroiense Leonardo Giordano (PCdoB), do deputado Miro Teixeira (Rede), do ex-juiz federal Wilson José Witzel (PSC), do ex-prefeito de Três Rios Vinícius Farah (MDB) e do deputado federal Alessandro Molon (PSB).

Embora Indio da Costa tenha chegado a pontuar no levantamento, quem apresenta mesmo mais chances de vitória é Romário, que lidera com vantagem, seguido de Paes e Garotinho. Veja, abaixo, o perfil de cada um deles.

Romário (Pode)

O senador tem 24,3% das intenções de voto e é líder isolado da pesquisa. Ele também é quem tem a menor rejeição: 52,8% cogitariam votar nele e 43,7% não votariam de forma alguma. Isso faz de sua candidatura aquela com mais potencial de votos, diante da alta rejeição do eleitorado a Paes e Garotinho.

A performance do ex-jogador da Seleção Brasileira na eleição ao Senado em 2014 pode dar uma amostra de seu potencial. Foram 4.683.963 votos, número pouco menor dos 4.861.678 votos que Luiz Fernando Pezão, governador em exercício, e Marcelo Crivella – atual prefeito do Rio de Janeiro – receberam juntos no primeiro turno da eleição para governador daquele ano.

Eduardo Paes (DEM)

Com 13,5% de intenção de votos, o ex-prefeito do Rio de Janeiro só não tem maior rejeição que Garotinho. Segundo o Instituto Paraná Pesquisas, 65,3% dos ouvidos afirmam que não votariam em Paes “de jeito nenhum”. Possibilita sua possível candidatura à decisão liminar do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que derrubou decisão que cassava seus direitos políticos.

Paes ainda não confirmou sua intenção de disputar o Palá- cio Guanabara, mas sua saída do MDB e filiação ao DEM, no início de abril, após ter chegado a negociar com o PP, acenam para a possibilidade de uma candidatura. Mas, mesmo com a liminar concedida pela Justiça, sua situação pode mudar, já que o plenário pode ter entendimento diferente.

Anthony Garotinho (PRP)

Terceiro colocado na pesquisa e em empate técnico com Paes, já que a pesquisa tem margem de erro de 2,5% para mais ou para menos, Garotinho aparece com 11,2% das intenções de votos. Alvo da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público (MP), ele é réu em ações criminais e eleitorais oriundas das Operações Chequinho e Caixa D’Água e foi preso duas vezes nos últimos anos, sob acusações de crimes como corrupção, participação em organização criminosa e falsidade na prestação de contas eleitorais entre os anos de 2009 e 2016.

A rejeição de Garotinho é de altíssimos 71,9%. Após ser afastado pelo PR da presidência do diretório estadual do PR, ele abandonou a legenda e se filiou ao PRP.