Praça São Salvador e as marcas de destruição

Em toda a área há sinais de vandalismo e depredação do patrimônio público, além de riscos à integridade física de quem passa pelo local

Campos
Por Ocinei Trindade
21 de novembro de 2018 - 12h19

Bancos destruídos: um dos problemas da São Salvador (Fotos: Silvana Rust)

A Praça São Salvador de Campos dos Goytacazes é um dos mais importantes conjuntos arquitetônicos da cidade. Em sua volta estão a Catedral, o Museu Histórico, o Hotel Gaspar, o Chafariz Belga, a Lyra de Apolo, prédios da Justiça Federal, Correios, Banco do Brasil, shopping e edifícios comerciais. Apesar da relevância, o espaço sofre com ações de vandalismo e má conservação. Postes com fiação exposta, luminárias e lâmpadas quebradas, bancos destruídos, piso irregular são alguns dos problemas apontados. A Prefeitura de Campos diz que há projetos para resolvê-los.

Bastam alguns minutos circulando pela Praça São Salvador para identificar sinais de depredação. Pelo menos dez bancos feitos com blocos de granito estão parcial ou totalmente destruídos. Alguns destes estão com vigas de ferro ou vergalhões expostos. Isto coloca em risco, de algum modo, pessoas que passam por ali. “Aqui há muitas crianças circulando. De fato, é um perigo se machucar com os pedaços de granito e ferro quebrados”, diz o taxista Leo Machado.

Em diversos pontos da São Salvador e da vizinha Praça Quatro Jornadas há falhas no piso. Alguns se soltaram, e os pedestres precisam atentar para não tropeçar ou cair. Vários postes estão com lâmpadas queimadas ou com luminárias quebradas. Apesar de à noite não haver falta de energia, a aparência do conjunto está comprometida. Quase todos os postes estão com fiação elétrica exposta, outro risco para quem frequenta o ambiente, pois um curto circuito não é descartado.

A última reforma da Praça São Salvador aconteceu no início dos anos 2000, na gestão do ex-prefeito Arnaldo Vianna. Na época, a obra gerou polêmica e protestos, já que a praça foi totalmente descaracterizada. O piso com pedras portuguesas foi retirado, além de bancos de madeira, várias árvores e canteiros com flores. No lugar, bancos feitos de concreto e granito, novos postes e palmeiras imperiais. As raízes das árvores estão comprometendo o piso, luminárias e acentos, pois crescem de maneira que danificam os equipamentos.

Nos últimos anos, a São Salvador passou a ser mais freqüentada por famílias, grupos de música, hip hop, religiosos, skatistas, patinadores, ciclistas, além de moradores de rua. De algum modo, todos disputam o espaço que se tornou uma concorrida área de lazer concorrida, apesar da precariedade atual. Nem sempre há policiamento ou monitoramento de guardas civis da Prefeitura, responsáveis pela segurança e pela preservação do patrimônio público, respectivamente.

Nota da Prefeitura – O governo informou que está em trâmite a instalação de novos postes com iluminação em led, o que gerará maior economia, além de evitar a utilização de fiação no local. Há uma parceria entre a secretaria de Infraestrutura e Mobilidade Urbana e superintendência de Iluminação Pública, onde estão previstas intervenções pontuais na região Central para promoção de melhorias em alguns pontos. A secretaria de Infraestrutura e Mobilidade Urbana também vem realizando manutenções no Centro Histórico como troca contínua das pedras portuguesas do calçadão, além da instalação de grades nas canaletas que foram retiradas ou danificadas. A secretaria prevê ainda, para breve, a recuperação das jardineiras.