Menina é atacada por cão Pit Bull e fica gravemente ferida

A criança deu entrada no Hospital Ferreira Machado e depois foi transferida para uma unidade particular

Geral
Por Redação
8 de novembro de 2018 - 14h17

A criança foi socorrida inicialmente no HFM e depois transferida para o Ceplin (Foto: Silvana Rust)

O ataque de um cachorro da raça Pit Bull causou lesões graves em uma menina de quatro anos, na localidade de Ponta Grossa dos Fidalgos, em Campos. O incidente aconteceu no fim da tarde de quarta-feira (7). Segundo testemunhas, o cão pertence a uma tia-avó da criança. O animal teria se soltado da coleira e atacado a menina no quintal da casa da proprietária. A criança sofreu mordeduras na cabeça e em várias partes do corpo. Sua avó também foi atacada quando tentava socorrer a neta. Elas foram levadas para o Hospital Ferreira Machado, onde receberam os primeiros socorros. A avó da criança foi liberada, mas a menina precisou ser internada. Ela foi transferida para o Centro de Pediatria Lilia Neves (Ceplin),  onde está em observação.

De acordo com o pediatra do Ceplin, Oldemar Leite, a paciente está sob controle, estável, mas com muitas dores. Fez exames de imagem ,de laboratório e foi avaliada pela neurocirurgia.

Com muitos ferimentos, a menina precisou levar vários pontos para costurar parte da pele da cabeça e da testa, onde o cachorro feriu. Na manhã desta quinta-feira (8), um quadro de febre se apresentou, mas a equipe médica e de enfermagem do hospital observa a evolução da paciente. A criança precisou tomar vacina anti-rábica por medidas de precaução, pois não se sabe o estado de saúde do animal.

Testemunhas contaram que o Pit Bull não costuma ser sociável. A proprietária do animal teria se mudado recentemente para Campos, e o cachorro costumava ficar preso com coleira e corrente no quintal. Porém, na quarta-feira, o animal se soltou e foi em direção da menina que brincava no pátio da casa no momento do incidente. A criança está muito assustada e chorosa. A família também está bastante traumatizada com o fato ocorrido e preferiu não se manifestar. Ainda não se sabe por quanto tempo a menina ficará internada.