Coluna do Balbi: atrações da Bienal do Livro e outras informações

Jornalista lembra também dos 70 anos da Firjan

Geral
Por Coluna do Balbi
9 de outubro de 2018 - 14h58

Frederico e Leonardo, filhos de Victor Hugo Aquino (Foto: divulgação)

Em Harvard

O cirurgião plástico Victor Hugo Aquino está todo orgulhoso com os caminhos seguidos pelos dois filhos que se formaram em Neurociência na Alemanha.  Frederico Aquino está fazendo pós-doutorado em Neurociência na prestigiada universidade de Harvard onde só entra fera. Já Leonardo está trabalhando nos Estados Unidos para uma das maiores empresas do mundo. É para ter orgulho mesmo.

Bienal
Grandes nomes já estão confirmados para a 10ª Bienal do Livro de Campos. Na Arena esportes, o público pode esperar o lutador de MMA, José Aldo, o comentarista esportivo e ex-jogador de futebol, Carlos Casagrande e Bernardinho do Volei. Mas não para por aí, haverá uma área dedicada a música com as presenças de Leone, Dani Carlos e a família do sambista Martinho da Vila. A organização da Bienal negocia também a presença do poeta Bráulio Bessa. Este ano, a edição acontece no Instituto Federal Fluminense e será de 20 a 25 de novembro.

Costa Rica

O empresário Renato Abreu, na semana passada, trouxe a Campos um grupo de empresários da Costa Rica, país da América Central, que tem a economia bem arrumadinha. Foram desenhados alguns negócios e certamente quem ganha com isso é a economia regional.

Ela lançou

A campista Ana Helena Gomes, discretamente lançou, no fim da semana passada, em Campos, seu livro “Noturno em Manhattan”. Ela fez o lançamento em sua própria casa entre amigos, digamos assim, um grupo mais do que seleto. Ana Helena foi casada com o saudoso poeta amazonense Thiago de Mello, que está em um nível tipo Pablo Neruda.

Gato Preto

O charmoso botequim no Centro de Campos que tem mais de 100 anos, agora optou por mexer no seu nome. Com todo o respeito, ele passa a se chamar “Ao Gato Preto” inspirado em Ao Livro Verde. Todas as sextas-feiras, um grupo de executivos se reúne no final do dia no bar, que agora tem um repertório de jazz e tudo mais. E Ao Gato Preto merece, afinal ele vem resistindo ao tempo e até a lei Afonso Arinos.

No páreo
Buarque foi indicado para concorrer ao Grammy Latino de melhor álbum. Para os críticos, o disco “Caravanas”, lançado no curso deste ano, tem tudo para levar o prêmio que é raro. O resultado será no dia 15 de novembro, em Las Vegas. O senhor Buarque não deverá estar presente à festa, mas pode levar o prêmio.

Energia

O engenheiro e empresário Guilherme Castro formatando um importante investimento para Campos. Trata-se de uma empresa de produção de energia limpa. Castro tem sua marca em importantes investimentos na cidade. Nasceu dele a ideia de montar a destilaria Canabrava da qual foi proprietário, com objetivo de produzir etanol, ou seja, energia limpa.

A produtora

A jornalista Angélica Abreu, que deixou Campos para ser produtora do Fantástico em São Paulo, e agora mora na Austrália, voltou a cidade na semana passada, para visitar o pai que está internada no hospital Dr. Beda. Angélica fez elogios ao hospital. Ela também aproveitou para rever amigos.

70 anos da Firjan

A Firjan SENAI Campos comemora, este ano, 70 anos de funcionamento. Essa semana será inaugurada na unidade a Exposição Memória da Indústria – 70 Anos da Firjan SENAI. São sete painéis que destacam os momentos mais importantes da instituição que já formou mais de 65.000 alunos. Uma história marcada pela preparação de mão de obra qualificada para a indústria e por oportunidades criadas por meio da educação profissional. Seria uma boa hora para prestar uma homenagem ao saudoso empresário e pecuarista Rubens Arêas Venâncio, que trouxe a unidade para Campos.

Corretamente
Os moradores da Pelinca cujo IPTU é uma senhora de respeito, reclamam que pagam caro para viver mal. E o ponto principal está exatamente nesta questão da poluição sonora. A Lei de 2008 só agora está pegando. A Postura está absolutamente certa.

Jabuti

O prêmio Jabuti tem o poder de consagrar escritores já renomados, assim como revelar ao público novos autores. Na edição comemorativa de 60 anos da premiação, haverá apenas um vencedor por categoria, além do ganhador do Livro do Ano. Os escritores indicados para o livro do ano são: José Almeida Júnior, com “Última hora” (Record), Olavo Amaral, com “Dicionário de línguas imaginárias” (Alfaguara), Gustavo Melo Czekster, com “Não há amanhã” (Editora Zouk), Cristina Judar, com “Oito do sete” (Editora Reformatório), Gisele Mirabai, com “Machamba” (Nova Fronteira).