O nome é Rodrigo

Confira os assuntos da coluna assinada pelo jornalista Aloysio Balbi

Geral
Por Coluna do Balbi
16 de abril de 2018 - 0h01

Prefeito Rafael Diniz e a esposa Renata Veloso

O nome é Rodrigo
O prefeito Rafael Diniz e sua esposa Renata Veloso já sabem o sexo do filho e já decidiram até o nome. O menino vai se chamar Rodrigo. O rebento vai dar o ar de sua graça entre o final de julho e início de agosto.

Boa notícia
A Serteng Engenharia vai construir em Campos 1.600 unidades habitacionais financiadas pela Caixa. Não são casas e sim blocos de apartamento de quatro andares. A área escolhida para o empreendimento fica perto da Tapera e, em maio, o diretor operacional da empresa Fernando Picanço estará em Campos detalhando
o projeto. Aos poucos, a economia vai elevando a sua temperatura, depois de um longo marasmo.

Noite no Centro
Com a bela iluminação do Centro da cidade, um grupo de comerciantes quer se unir para fazer um evento ‘a la’ Lapa. Agora, o grupo define como isso vai acontecer. Estão contando com esses carros ambulantes que vendem cervejas artesanais e comida de caminhão. Qualquer coisa que venha agitar o Centro de Campos é bem-vinda. Bom lembrar que na Lapa, no Rio, todos achavam impossível e acabou acontecendo. Não vamos sonhar a esse ponto, mas um pouquinho só.

Não é brinquedo não
A Revista Brinquedo, que não é coisa de gente grande, mas destinada ao comércio do setor com circulação dirigida, prestou uma homenagem ao comerciante campista Alamir Chacur, publicando em destaque homenagem que recebeu da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Uma homenagem justa pelo tempo de praia
que a empresa de Alamir tem no setor varejista de brinquedo.

Parque tecnológico
O município pediu à União a área que pertenceu a Rede Ferroviária Federal em frente ao antigo estádio Godofredo Cruz, o Americano. Nela, existe a intenção de montar um Parque Tecnológico de Inovação, concentrando todas as pesquisas em curso em parceria com as universidades. O processo está tramitando. É de extrema importância
para o futuro de Campos sem a menor sombra de dúvida.

Tellura
O empresário Carlos Alberto Corrêa Mariz continua apostando na produção de cachaça artesanal como alternativa à produção de açúcar e etanol. Ele investiu R$ 6 milhões de recursos próprios, montando o Alambique Tellura, na Fazenda Abadia. As instalações do local são modernas, com quatro alambiques de cobre, dornas em aço inoxidável e tonéis de envelhecimento em madeira de lei para produzir cachaça artesanal envelhecida, tipo exportação.

De Campos para a Escócia
Já foram exportados de Campos para a cidade de Aberdeen, na Escócia, uma expressiva quantidade de cachaça. O produtor Odirlei Carlos Henrique disse que o produto também se saiu bem em um concurso em Bruxelas, na Bélgica, ficando em 8º lugar. Economicamente, o negócio vai bem, obrigado. Odirlei, conhecido popularmente
como Leley, é proprietário de um alambique na Praia do Farol de São Tomé.

Farinha
Fundada em 1940, a Tipity, em São Francisco do Itabapoana, consolidou-se no mercado de farinha de mandioca se espalhando pelo mundo. A indústria tem uma produção mensal de 130 toneladas de farinha, sendo a fina, a granulada, a média, a tostadinha e a temperada. A empresa vai tão bem que é uma das grandes patrocinadoras do circuito brasileiro de Stock Car.

Galo Índio
Campos é um dos maiores produtores do galo índio gigante que vem do cruzamento de galos de rinha com galinhas caipiras e outras raças de galinhas. Com o tempo, os criadores foram selecionando os maiores exemplares até chegar aos animais atuais. Atualmente, a raça tem padrão definido e uma associação nacional de criadores para melhor organizar a criação da raça no território nacional e trabalhar no seu melhoramento genético. Em Campos, um galo destes está sendo vendido por R$ 300.

Luís Gastão Bittencourt

Sesc na Pedra Lisa
A Prefeitura de Campos está fazendo gestão junto ao interventor do Sesc/Rio Luís Gastão Bittencourt para que seja montada na Fazenda Pedra Lisa, um Hotel Escola, para treinar mão-de-obra e também movimentar o turismo rural. A sede da fazenda, que é de extrema beleza, está em desuso. Nos anos 90, a apresentadora Xuxa quis comprá-la para implantar um parque temático, mas o projeto não andou. Esse de agora parece economicamente viável e autossustentável. É torcer para dar certo.

Diamante
O diamante sintético, que projetou nacionalmente o Laboratório de Materiais Avançados (Lamav) da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) a partir de 2004, está perdendo um pouco do seu brilho. Naquela ocasião, o Brasil passou a ser o primeiro país da América do Sul a dominar a tecnologia para síntese de diamantes. O produto é sintetizado a partir da mistura de pós de grafite e de uma ligasolvente. A crise financeira da instituição fez o projeto ficar em banho- maria e para complicar, o principal pesquisador, o russo Guerold S. Bobrovntichii, que liderava o grupo de cientistas que desenvolveu a tecnologia, faleceu.

Leite
Campos já teve a Cooperleite e perdeu. Enquanto isso, em Amparo, distrito de São João da Barra, com um capital social de R$ 40 mil o Laticínio Sanjoanense vai bombando, produzindo do leite à manteiga e conquistando espaços. Segundo o empresário Luiz Alberto Rodrigues Gomes, o objetivo da indústria é conquistar uma expressiva fatia do mercado regional e, aos poucos, vai conseguindo.

Inquilino
A fábrica da empresa Policam em Campos, na Estrada do Carvão, do Grupo Galvani que produzia goma xantana, foi alugada por uma empresa que vai atuar no Porto do Açu, em São João da Barra. O inquilino vai usar a área externa e parte da construída. A fábrica Policam foi um grande investimento. Somente o BNDES financiou R$ 15,8 milhões, isso em 2006, e ainda ocorreu aporte de recursos do Fundecam. Mas acabou não dando certo.

Pode ser
A fábrica da Schultz Fall em Campos, embora parada renovou sua licença ambiental junto à prefeitura de Campos. Isso significa que existe uma esperança dela voltar a funcionar. Um executivo da empresa disse que se o mercado reagir, a produção será retomada, e exatamente por isso é que a Schultz no Distrito Industrial de Campos faz constante manutenção de sua linha de produção.

Cortando na carne
A mais tradicional churrascaria de Campos, a Gramada, arreou as portas. Os proprietários não querem mais tocar o negócio, mas tem um grupo de São Paulo mais do que interessado em arrendar. Quanto ao hotel, este continua firme e forte. Agora se pode contar nos dedos da mão esquerda de Lula quantas churrascarias Campos tem.