Pesquisa da Federação da CDL do Rio mapeia comércio varejista de Campos

O comércio responde por 27,8% dos empregos formais e 40% do total de unidades empresariais

Campos
Por ASCOM
6 de dezembro de 2017 - 19h03
Outro dado levantado pela pesquisa FCDL DIP/Varejo é a base de riquezas locais (Foto: Divulgação)

Outro dado levantado pela pesquisa FCDL DIP/Varejo é a base de riquezas locais (Foto: Divulgação)

A Federação de Câmaras Dirigentes Lojistas do Estado do Rio de Janeiro realizou um estudo do varejo de Campos. O comércio responde por 27,8 % dos empregos formais e 40% do contingente total de unidades empresariais empregadoras de Campos são de empresas relacionadas ao varejo, revela o estudo em parceria com o movimento Rio+Varejo.

O presidente da FCDL-RJ, Marcelo Mérida, entregou na noite de segunda-feira (04) amplo estudo do varejo e do dinamismo da economia à Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Campos, preparado pelo movimento Rio+Varejo, instalado em Campos no dia 24 de novembro e que irá cobrir todo o território fluminense.

Em reunião na CDL Campos, o presidente da entidade local, Joilson Barcelos recebeu a pesquisa do Rio+Varejo do presidente da FCDL-RJ, Marcelo Mérida. Participaram da reunião e também receberam cópias do trabalho representantes da Associação Comercial e Industrial de Campos (ACIC), Associação dos Comerciantes da Rua João Pessoa e Adjacências (CARJOPA), Firjan e outras.

“É fundamental que tenhamos esses números. O trabalho vai nos nortear no processo de retomada do comércio com o movimento Rio+Varejo, que é permanente”, declarou Joilson, presidente da CDL Campos. O presidente da FCDL-RJ Marcelo Mérida aponta “que agora o Rio+Varejo irá apresentar seguir entregando o estudo local de cada cidade e o papel do comércio na economia”.

A FCDL-RJ está disponibilizando o estudo dos diferentes indicadores econômicos reunidos na pesquisa Despesas & Investimentos Públicos e sua relação com o Varejo (FCDL DIP/Varejo), em levantamento feito pelo Fatore, empresa de pesquisas e informações econômicas. “O estudo FCDL DIP/Varejo aponta indicadores da economia local e mapeia os cenários para expansão do comércio”, diz Sérgio Cunha, do Fatore que organizou o Rio+Varejo com a Smartt Mídia.

Em Campos, são listados dados relativos à massa salarial e potencial de consumo. Apenas com salários pagos por empresas e poder público, considerando vencimento médio de 2,6 s.m./mês e população ocupada de 108.720 pessoas, há uma média mensal de R$ 222,7 milhões por mês injetados na economia. Considerando benefícios do INSS, salários de trabalhadores do Porto do Açu, a massa salarial ampliada de Campos vai a expressivos R$ 4,53 bilhões por ano, segundo a pesquisa FCDL DIP/Varejo.

Outro dado levantado pela pesquisa FCDL DIP/Varejo é a base de riquezas locais, “um colchão de reservas que sinaliza para investimentos e beneficia o comércio se explorado e incentivado”, assinala Marcelo Mérida.

A soma de movimentações financeiras de poupança, depósitos e operações de crédito de Campos em 2016 aponta para estoque de capital de R$ 5,81 bilhões, sendo R$ 1,9 bilhão apenas de poupança.