Dia Mundial do Diabetes: Ases promove ação de conscientização nesta terça-feira

Evento acontece no jardim do Hospital Dr. Beda Unidade 2 até às 14h

Saúde
Por Redação
14 de novembro de 2017 - 10h44
(Foto: JTV)

(Foto: JTV)

Com o intuito de conscientizar sobre o diabetes, o Plano de Saúde Ases, do grupo IMNE promove um evento nesta terça-feira (14), Dia Mundial do Diabetes, a partir das 9h, no jardim do Hospital Dr. Beda Unidade 2. Segundo a médica endocrinologista que participa da ação, Dra. Patrícia Peixoto, o objetivo principal é alcançar o maior número de pessoas e alertar sobre os fatores de risco.

LEIA TAMBÉM Vídeo: evento pelo Dia Mundial do Diabetes acontece nesta terça-feira

A ação acontece até às 14h, com medição de glicose e aferição de pressão. Os participantes ainda recebem um “lanche saudável”. A Dra. Patrícia e outros médicos que atuam nessa área estão no local distribuindo informativos sobre o diabetes e esclarecendo dúvidas.

Essa doença crônica, na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz, atinge mais de treze milhões de pessoas no Brasil — considerando que metade dos diabéticos não sabe que tem a doença. Isso porque, segundo a Dr. Patrícia, o diabetes é silencioso.

“No caso do tipo 2, não há sintomas no estágio inicial da doença, vindo a aparecer somente quando está avançada. E a população já sabe que o diagnóstico precoce faz muita diferença no sentido de prevenir possíveis complicações. Além disso, o fato de ser assintomática, faz com que eventos como esse sejam de extrema importância, tanto que a Sociedade Brasileira de Diabetes e a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia organizem ações anualmente, como Dia Mundial do Diabetes”, explicou.

O teste de glicose que está sendo aplicado no evento é chamado de “glicemia capilar” e consiste em uma “picadinha” no dedo. O sangue removido é colocado em um aparelho que, em poucos segundos, apresente o resultado. Dra. Patrícia esclarece que os números oriundos desse teste servem apenas para rastreio e não diagnóstico. “A ideia é permitir que as pessoas possam verificar se a glicemia está alterada e, em caso positivo, buscar um médico para fazer a investigação de fato”, orientou.

img_4250-2