Ônibus de quatro empresas voltam a circular em Campos; Turisguá ainda em greve

Prefeitura afirma que quer retorno total dos veículos ainda nesta quinta-feira

Geral
Por ASCOM
12 de outubro de 2017 - 9h55
foto: Silvana Rust

foto: Silvana Rust

Na quarta-feira (11), o secretário da Transparência e Controle, Felipe Quintanilha, e o presidente do Instituto Municipal de Trânsito e Transportes (IMTT), Renato Siqueira, se reuniram, na sede da Prefeitura de Campos, com representantes dos consórcios do transporte público, Sindicato dos Rodoviários e alguns funcionários, para tratar do movimento grevista. Ainda na quarta, os veículos das empresas Siqueira e São João retornaram as ruas; nesta quinta-feira, foi a vez dos funcionários de mais duas empresas, São Salvador e Rogil, encerrarem o movimento de paralisação. A única que permanece em greve é a Turisguá.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários, Roberto Virgílio, detalhou o que foi dito no encontro.

“Existe realmente o mês de setembro para repassar para as empresas e eles vão estar fazendo isso amanhã em uma conta judicial especificamente pra pagamento dos trabalhadores. Se as empresas não voltassem, eles iriam entrar com intervenção judicial. As empresas foram obrigadas a voltar a trabalhar ou perderiam a linha. A justiça decretou que é ilegal [Paralisação], que isso poderia causar justa causa aos trabalhadores e a prefeitura iria entrar com a intervenção nas linhas das empresas que não rodassem. Por isso que estão rodando. Só que a Turisguá falou que não tinha como fazer proposta e que se quisesse pegar a linha poderia pegar. A verdade é que nada foi feito até o momento. Só a São João que está dando um vale que o pessoal concordou e está recebendo por dia trabalhado. Tenho uma denúncia feita no Ministério Público aguardando uma audiência pra gente tá levando essas empresas pra lá para resolver esse problema dos trabalhadores. Não foi agendado ainda, foi pedido. Estamos dependendo dessa pauta do IMTT”, declarou.

Já Felipe Quintanilha destacou que é preciso que o transporte público funcione e informou que o valor devido, pela prefeitura, aos consórcios, referente ao fechamento de setembro, será consignado em juízo, na próxima segunda-feira (16), para que seja repassado diretamente aos funcionários.

— O que a gente espera é que eles compreendam e voltem à operação 100%, já nesta quinta-feira, 12 de outubro, para que possamos discutir juntos os próximos passos do novo desenho do transporte — disse o secretário.

Quintanilha frisa ainda que o serviço de transporte é público e, caso, o sistema não funcione serão tomadas as medidas cabíveis para garantir o atendimento à população, inclusive, intervir se necessário, acionando o comando da Polícia Militar para garantia da segurança de passageiros e dos funcionários que querem trabalhar.