Motorista de caminhão que causou tragédia na BR 101, no ES, pede desculpas

Delegado trabalha com a hipótese de que o condutor estaria usando o WhatsApp no momento do acidente

Geral
Por Redação
12 de outubro de 2017 - 8h55
(Foto: Leitor de A Gazeta)

(Foto: Leitor de A Gazeta)

Apontado como causador do acidente que deixou quatro mortos e quatro feridos na BR 101 em Viana, no Espírito Santo, o motorista Wesley Mantovanelli, de 45 anos, pediu desculpas pela tragédia. “Tudo que eu pedir de desculpas não vai consertar, mas peço desculpa do fundo do coração. Eu nunca quis, em momento algum, fazer o que aconteceu” disse, ao sair do Departamento Médico Legal (DML), em Vitória, onde passou por exame após ser preso. Ele foi autuado por homicídio culposo.

Montovanelli foi preso no fim da tarde desta quarta-feira (11) e levado para a Delegacia de Delitos de Trânsito. De acordo com a perícia da Polícia Civil e da equipe da Polícia Rodoviária Federal, o motorista seguia 85 km/h em uma via cujo limite é de 60 km/h. Ele afirma à polícia que se distraiu ao olhar para um posto de gasolina, mas o delegado Alberto Roque, responsável pelo caso trabalha com a hipótese de que o condutor estaria usando o WhatsApp no momento do acidente.

“Segundo análises preliminares, dois grupos no WhatsApp de motoristas de caminhão, no horário do fato, ás 11h50, estão apagados. As demais conversas estão normais. Isso é indício de que ele estava usando o celular e apagou os grupos para ocultar a prova. O aparelho foi encaminhado para a perícia para confirmar se ele estava no WhatsApp no instante do acidente”, afirmou Roque.

O acidente — A colisão aconteceu por volta das 11h50 desta quarta-feira (11), no sentido sul da BR 101, na altura do quilômetro 304, em Viana, e envolveu sete veículos, sendo cinco carros, um caminhão e uma carreta. Duas pessoas morreram carbonizadas, uma durante o resgate e outra horas após o acidente.

Segundo informações do departamento de Comunicação da Polícia Rodoviária Federal (PRF), entre os cinco feridos resgatados e encaminhados a hospitais estava a diretora escolar, Maria de Lourdes Coutinho Passos, de 65 anos, que morreu horas depois.

Duas pessoas, que também se envolveram no acidente, saíram ilesas.

Quanto aos corpos carbonizados, as informações iniciais é de que a identificação será feita por exame de DNA, mediante exame no Departamento Médico Legal, em Vitória.

A rodovia ficou interditada durante horas, mas a PRF abriu uma das laterais para que o trânsito fluísse.