Coluna do Balbi

Confira nesta segunda a coluna do Aloysio Balbi

Campos
Por Coluna do Balbi
9 de outubro de 2017 - 0h01

dr-herbert-sidney-neves-foto-silvana-rust-11Título Honorário
O presidente do Grupo IMNE, Dr. Herbert Sidney Neves recebeu o título de Associado Honorário do Rotary Club de Campos. A justificativa dada por esse clube de serviço internacional é de que os ideais de servir do empresário se confundem com os mesmos da entidade, destacando ainda a gama de serviços prestados à comunidade pelo Dr. Herbert.

Sapateiro
Em Cachoeiro de Itapemirim (ES), a mesma cidade onde Roberto Carlos caiu nos trilhos em 1947 e perdeu parte da perna direita, Ailton Matias Pontes, viveu, 37 anos depois, uma tragédia parecida. Um comboio de 16 vagões passou por cima dele e decepou metade do seu corpo, quase na altura do quadril, e o condenou, aos 22 anos, a uma invalidez.

Mais de 37 anos depois do acidente, Ailton, que viveu por muito tempo em Campos recebe
cerca de 1.200 reais por mês em indenizações, trabalha seis dias por semana consertando sapatos no chão de uma rua no Centro do Rio de Janeiro.

De cabeceira
O professor Marcelo Sampaio, que já tinha lançado no Rio de Janeiro, autografou no sábado em Campos, no Museu da Praça São Salvador, seu livro “Amálgamas da Memória”. Se não falha a minha, que ainda não li o livro, Marcelo manda muito bem. Então vale a pena a leitura.

Sonho
A maioria dos campistas é modesta. Sonha apenas com um carro alto, com rodões e bem espaçoso, ou seja, sonha com um ônibus. Não é exigir muito.

Tradição
Essa semana quando um maluquinho deu um drible no Terceira Via, se passando por ex-jogador do Vasco, valeu a pena pesquisar sobre a tradição do futebol campista. Sem contar Didi e Amarildo, vamos lá: na Copa do Mundo de 1923 a seleção brasileira jogou contra a Argentina no Uruguai com três campistas atuando, Mario Seixas, Cleóbullo Faria, o Soda (ambos do Goytacaz) e Amaro Silveira, do Americano. Temos ou não tradição no futebol? Acrescentem aí Poly, do Americano, o primeiro campista a jogar uma Copa do mundo também nos anos 20.

A pé
Um levantamento realizado pela Sodexo Benefícios e Incentivos em agosto de 2017, com 1.202 pessoas em todo o Brasil, revelou que 69% dos entrevistados mudaram seus hábitos de transporte após a crise. A principal alternativa apontada para se deslocar pela cidade e cortar gastos é andar mais a pé (24,4%), seguido por utilizar o transporte público (21,5%); se locomover menos (19,4%); andar de bicicleta (17,1%); usar mais táxi, Uber ou outro serviço semelhante (9,9%) e pegar mais carona (7,7%).

Promessa
Três campistas vão colocar as magrelas na estrada e pedalar 500 quilômetros até Aparecida, em São Paulo. Os três vão pagar uma promessa. Importante lembrar que vão pedalar mais 500 quilômetros na volta.

Golaço
A semana começa com a Fundação CDL marcando o seu primeiro gol de placa com a entrega das primeiras 32 carteiras de trabalho do programa “Ação Aprendiz”, que vai beneficiar jovens que habitam áreas de riscos. A primeira grande parceira é a rede Superbom que contratou esses 32 jovens. A entrega das carteiras será às 18h desta segunda-feira na sede da CDL.

Era o paraíso
Segundo o Sebrae, em 2913, 100 marcas franquiadas operam em Campos. A cidade estava entre as 70 melhores do país para este tipo de negócio. A maioria delas era na área da beleza e saúde natural, seguido pela alimentação, como os fast food. Outras estavam para vir, mas decidiram formar uma fila e esperar a turbulência passar. E outras fecharam.

Premiado
Helen a Lewin, Ana Paula Alves Ribeiro e Liliane Souza e Silva, assinam o livro “Uma nova abordagem da questão da terra no Brasil – O caso do MST em Campos dos Goytacazes”. O trabalho conquistou o prêmio Celso Furtado de Desenvolvimento Regional.