Jornalista da Rede Globo é hostilizada por militantes de Garotinho em Campos

Lilia Teles veio cobrir a prisão do ex-governador na quarta-feira e foi recebida com ofensas no bairro da Lapa

Campos
Por Ulli Marques
14 de setembro de 2017 - 9h56

lilia-teles2No final da tarde de quarta-feira (13), horas após o cumprimento do mandado de prisão domiciliar do ex-governador Anthony Garotinho, a jornalista da Rede Globo, Lilia Teles, foi hostilizada por militantes em frente a casa do acusado, no bairro da Lapa, em Campos.

A profissional, que saiu do Rio de Janeiro para cobrir o episódio, foi recebida com ofensas pelos manifestantes que defendiam o ex-secretário de governo.

order nolvadex

Os militantes gritavam frases como “o povo não é bobo, fora Rede Globo” e xingamentos dirigidos ao presidente da empresa, Roberto Marinho. Foram os próprios manifestantes que gravaram o vídeo abaixo, seguindo a jornalista até o carro. Ela permaneceu calada diante da ostensiva.

O grupo de correligionários estava reunido em frente à casa de Garotinho para apoiar o ex-secretário após o anúncio da prisão.

LEIA MAIS  dopoxetine online Garotinho já cumpre prisão domiciliar e usa tornozeleira eletrônica

cheap Lasix

LEIA MAIS Chequinho: Garotinho é preso na Rádio Tupi, no Rio; confira o mandado da justiça

Sobre a atitude dos militantes contra a jornalista, a Associação de Imprensa Campista (AIC) informou que “até onde sabemos, não houve agressão física à repórter, e os gritos foram palavras de ordem comuns em manifestações. Não cabe à AIC condenar o direito das pessoas dizerem o que pensam sobre os veículos de comunicação, nem avaliar a ênfase ou o modo como são ditos, desde que não incluam ofensas pessoais aos profissionais ou agressões físicas. Nos vídeos que vimos, a repórter optou por sair, mas poderia ficar e fazer o seu trabalho mesmo sob gritos de protesto, possivelmente até incorporando-os à sua narrativa, uma vez que faziam parte da realidade que encontrou”.

A repórter Lilia Teles é conhecida por coberturas marcantes como a eleição de Barack Obama e a ocupação da Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão. No terremoto do Haiti, em 2010, ela também ajudou a localizar uma sobrevivente presa sob os escombros.