Praga que transforma tudo em pó

Um exército de Cupim invade Campos, destrói tudo aos poucos em uma guerra que parece não ter fim

Geral
Por Ulli Marques
14 de junho de 2017 - 19h28

cupimÉ difícil encontrar alguém que não tenha tido ao menos um móvel danificado por cupins. Embora pequenos e, muitas vezes, imperceptíveis, esses insetos são capazes de fazer um grande estrago e o prejuízo pode ser maior ainda. Tanto que essa é considerada a pior praga urbana no que se refere a dano ao patrimônio e, em Campos, a infestação é muito comum. Por esse motivo, todo o cuidado é pouco e a prevenção é a melhor saída para evitar transtornos.

Segundo o gerente de uma dedetizadora do município, Afonso Maria, algumas áreas de Campos são mais propensas para o aparecimento de cupins. “Ainda que essa seja uma praga que pode ser encontrada em qualquer lugar, haja vista que existem 300 tipos de cupim no Brasil e mais de três mil no mundo, o município de Campos possui algumas peculiaridades. Alguns dos principais condomínios da cidade foram construídos em locais onde existiam plantações de cana-de-açúcar e, embora terraplanados, os terrenos ainda possuem as condições perfeitas para a infestação de cupins.

O fato de o município ter o clima seco no inverno e chuvoso no verão também é um fator favorável para essa praga”, explicou o especialista. Espécies de Cupins As espécies mais comuns de cupins no município são os subterrâneos, que atacam construções em alvenaria. De acordo com Afonso, os alicerces são os primeiros alvos desse tipo de cupim, que também passa por dentro das paredes em busca da celulose que também é encontrada em madeiras e papéis. As colônias e as trilhas desses cupins geralmente não ficam visíveis, pois estão dentro do solo.

Outra espécie frequentemente encontrada em Campos é a arborícola. Esse tipo de cupim ataca madeiras em geral e constroem suas colônias em árvores e nos madeiramentos dos telhados das casas. Há também os cupins de madeira seca, que preferem as madeiras usadas em móveis e portas que não recebem umidade. O ataque dessa espécie se dá por meio de revoada, em que os casais alados se instalam em pequenos orifícios, tais como: furo de prego, rachaduras, etc. Uma vez instalados, esses cupins se reproduzem e, assim, criam suas colônias.

Um dos principais sinais dos cupins de madeira seca é a presença de granulados próximos às peças. Essa espécie não costuma sair de dentro da madeira e, por isso, é mais difícil a infestação passar de um móvel para outro. No entanto, essa praga consegue danificar um móvel por inteiro sem que seja possível identificar a presença da praga externamente. Tratamento Para cada espécie de cupim, há um procedimento adequado e específico para a eliminação dessa praga.

Ainda segundo o gerente da dedetizadora, no caso dos cupins subterrâneos, é recomendado criar uma “barreira química” em torno do imóvel, seja em construção (mais aconselhável) ou já construído. Já para a eliminação dos cupins arborícolas, o ideal é identificar os locais onde se encontram as trilhas e as colônias e aplicar a substância descupinizante por meio de pulverização.

No caso dos cupins de madeira seca, o recomendado é tratar as peças de madeira com produtos descupinizantes para aumentar a resistência ao ataque da praga. Mas caso o móvel já esteja danificado, o ideal é substituir a peça mais afetada por um pedaço de madeira tratada. “A recomendação é sempre chamar um profissional habilitado no controle de pragas urbanas (dedetizador) para analisar a infestação, identificar qual a espécie de cupim e qual o melhor procedimento a ser realizado”, destacou Afonso.

Soluções Caseiras

Além dos serviços fornecidos pelas dedetizadoras, existem ainda algumas alternativas mais econômicas e que também podem ser eficientes no tratamento de prevenção dessa praga. Uma delas é a instalação de telas de proteção nas janelas das casas. Essa medida pode ser providencial principalmente no caso dos cupins de madeira seca, já que estes voam em busca de um ambiente favorável para proliferação.

Outra alternativa é utilizar madeiras já tratadas ou naturalmente resistentes, como é o caso do ipê, peroba, jacarandá, aroeira, entre outras. A utilização de tintas e vernizes na parte externa dos móveis, molduras de quadros e portas e janelas pode ajudar a evitar a infestação, já que essa substância fecha as brechas que possam servir de entrada para os cupins. Evite também guardar livros e outros papeis em estantes de madeira, já que os cupins se alimentam de celulose.

Em todos os casos, a inspeção das paredes, dos móveis e de portas e janelas de madeira é fundamental. Somente assim é possível identificar a presença dessa praga, que pode ser bastante sutil, e evitar prejuízos financeiros. CCZ A Secretaria de Desenvolvimento Ambiental de Campos possui um serviço de tratamento corretivo e preventivo de cupins em árvores encontradas em áreas públicas como calçadas, praças ou canteiros centrais.

Segundo o órgão, neste ano, até o mês de maio, o Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) atendeu a 28 solicitações para a retirada de cupins em todo o município. A secretaria afirmou ainda que a população pode entrar em contato com o setor de arborização da secretaria para solicitar o tratamento dos cupins em áreas públicas por meio do telefone (22) 98168-9588.