Marcos Bacellar é empossado vereador após retotalização dos votos

Votos, que não foram considerados nas eleições, acabaram validados por força de liminar concedida pelo TSE

Campos
Por Redação
20 de abril de 2017 - 15h13
img_1019

Retotalização aconteceu no cartório da 76ª Zona Eleitoral (Foto: JTV)

O vereador eleito Marcos Bacellar (PDT), esteve na 76ª Zona Eleitoral de Campos, na tarde desta quinta-feira (20), para acompanhar a retotalização dos votos feita pelo sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), por ordem do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que concedeu uma liminar a Bacellar para que os votos que ele obteve no pleito fossem contabilizados.

Antabuse reviews

Em poucos instantes, ele deixou o cartório eleitoral com o nome incluído na lista dos vereadores eleitos em 2016, sendo assim, reconhecido vereador eleito pela justiça. É o documento que faltava para que Bacellar fosse diplomado vereador e empossado pela Câmara Municipal.

nolvadex reviews
dopoxetine reviews

Ao deixar a Justiça Eleitoral, o vereador e seu advogado foram para a Câmara Municipal onde aconteceu a cerimônia de posse de Bacellar, por volta das 16h30. Ele se reuniu com o presidente da Câmara, Marcão Gomes (Rede) e os vereadores Igor Pereira (PSB), Neném (PTB), Abdu Neme (PR), Álvaro Oliveira (SD) Fred Machado (PPS), Silvinho Martins (PRP), José Carlos (PSDC) e Cláudio Andrade (PSDC).

Com a retotalização dos votos, a vereadora Cecília Ribeiro Gomes virou primeira suplente de Bacellar. Na ocasião, Marcão informou que ainda não havia recebido, até a tarde desta quinta, listagem oficial do TRE com os nomes dos suplentes que assumirão as vagas deixadas por Thiago Ferrugem (PR), Jorge Magal (PSD), Vinícius Madureira (PRP) e Roberto Pinto (PTC), afastados dos mandatos pela justiça.

Segundo Bacellar, os últimos meses, à espera do desenrolar do processo, foram de muita ansiedade. “Aguardo pela minha posse desde o dia da eleição. Estes últimos meses foram de muita ansiedade, mas estou pronto para exercer o mandato que o povo de Campos precisa”, destacou o vereador.

Bacellar obteve 2.685 votos que não foram contabilizados durante a eleição porque contra ele pesava uma decisão judicial que o incluía na Lei da Ficha Limpa. O então candidato a vereador, Thiago Godoy, acionou a justiça questionando a candidatura de Bacellar.

Depois de várias derrotas nos âmbitos municipal, estadual e até federal, Marcos Bacellar conseguiu uma liminar no TSE, no dia 7 de abril. A ministra Luciana Lóssio determinou que os votos obtidos por ele fossem inseridos no sistema eleitoral e que ele tomasse posse no cargo de vereador. Marcos Bacellar concorreu à vaga de vereador em 2016 pela coligação “Vamos governar juntos” que abrange os partidos PDT/PSC.