Para evitar queda, Campos busca melhorar rendimento como mandante

Roxinho estreia no Grupo X, diante do Tigres, no próximo dia 4, no estádio Antonio Ferreira Medeiros, em Cardoso Moreira

Esporte
Por Redação
28 de janeiro de 2017 - 12h20

Invicto, mas longe de estar satisfeito. Esse é o Campos quando joga em casa no Campeonato Carioca. O time do Norte Fluminense, que vem mandando suas partidas no Estádio Antonio Ferreira Medeiros, em Cardoso Moreira, não conseguiu aproveitar o fato de atuar em seus domínios por três vezes nas cinco rodadas da seletiva. Dos nove pontos que disputou diante de sua torcida, acumulou apenas um terço, já que empatou nas três ocasiões. Desempenho que pesou para não fechar a preliminar na zona de classificação.

O Campos estreia no Grupo X diante do Tigres, no Ferreirão, dia 4 (Foto: Carlos Grevi)

O Campos estreia no Grupo X diante do Tigres, no Ferreirão, dia 4 (Foto: Carlos Grevi)

Treinador do Campos, Rafael Soriano admitiu que esse é um ponto importante a ser corrigido antes de começar o Grupo X, onde o Roxinho vai tentar se livrar do rebaixamento contra Cabofriense, Tigres do Brasil e Bonsucesso. Apesar de reconhecer as falhas quando seu time jogou no Ferreirão, Soriano fez questão de analisar os três confrontos, lembrando que cada tropeço aconteceu de uma forma diferente.

– Sem dúvidas (é preciso melhorar), apesar de serem situações diferentes. O primeiro jogo (contra o Bonsucesso), na verdade, foi toda uma ansiedade de estreia. Eu, particularmente, não gostaria de ter estreado em casa, mas são coisas que acontecem – disse Soriano.

– Contra o Nova Iguaçu a gente acabou tendo que buscar o resultado numa situação atípica. O Nova Iguaçu começou muito bem, foi superior, e acabou sendo um empate com sabor de vitória, pela superioridade que eles tiveram.

O último empate em casa, contra o Tigres do Brasil, foi atípico, na visão de Rafael Soriano. O Campos vencia o confronto por 2 a 0, mas acabou cedendo a igualdade nos minutos finais para o time da Baixada Fluminense. O técnico acredita que o fato de ter mandado seu time para frente de todas as formas, acabou sendo determinante. Àquela altura, o Roxinho precisava de goleada para avançar à Taça Guanabara.

– Esse último jogo, talvez se fosse numa situação normal, a gente venceria. A gente fez 2 a 0, mas acabou levando o empate no final por ter aberto o time, pela necessidade de golear. Ganhar de três ou perder de três seria a mesma coisa, então tinha que ir para dentro – se justificou.

O Campos estreia no Grupo X diante do Tigres, no Ferreirão, buscando encerrar o jejum de vitórias como mandante. A partida acontece no próximo dia 4.

 

Por: FutRio