Rafael Diniz quer saúde no ano novo

Com pouco dinheiro no bolso por conta do ano velho, Rafael quer que todos tenham saúde sem precisar se vender

Geral
Por Redação
3 de janeiro de 2017 - 0h01

POR: MARCOS CURVELLO, THIAGO GOMES E ULLI MARQUES

Rafael Diniz no HFM (Foto: Carlos Grevi)

Rafael Diniz no HFM (Foto: Carlos Grevi)

Para o prefeito Rafael Diniz (PPS), a posse, na noite do dia 1º, marcou o início de seu trabalho. Enquanto Campos ainda vivia a letargia do pós-Ano Novo, com ruas vazias e comércios fechados, ele deixou a Câmara Municipal, onde aconteceu a cerimônia, e seguiu para uma reunião a portas fechadas com seu secretariado na Prefeitura. Urgência de quem ficou a ver navios na transição e precisa entender as contas e necessidades do município antes de propor qualquer solução para os muitos problemas que a cidade passa.

Um dos principais, e que afeta mais diretamente a população, o estado da saúde pública municipal — qualificado como “tragédia” pela nova responsável pela pasta, Fabiana Catalani — começou a ser constatado pessoalmente por Diniz em seu primeiro dia útil como chefe do Executivo. Logo no início da manhã de segunda-feira (2), Rafael e parte de sua equipe estiveram no Hospital Ferreira Machado (HFM). À tarde, foi a vez do Hospital Geral de Guarus, onde começaram a tomar conhecimento da situação das unidades. No HFM, foi constatada escassez de medicamentos. No último dia 26, dos 245 itens que compõem o portfólio da farmácia, 203 estavam em falta. Segundo o prefeito, oito cirurgias deixam de ser feitas todos os dias por causa do Centro Cirúrgico inoperante.

 

Visita ao HFM (Foto: Carlos Grevi)

Visita ao HFM (Foto: Carlos Grevi)

Olhar técnico

De acordo com o superintendente geral do HFM, Pedro Ernesto Simão, a unidade enfrenta uma “crise, que se instalou há algum tempo e se agravou recentemente”. “O hospital está desabastecido. Faltam material e insumos básicos para que possamos funcionar de forma correta. Essa é a primeira coisa que precisamos resolver. A segunda é reestruturar o hospital
para que ele volte a funcionar. Inclusive o centro cirúrgico, que, no momento, está inoperante. Não tem ninguém lotado lá. O que a gente pode fazer, a gente faz. Muitas vezes, o corredor está cheio porque não temos onde colocar o paciente. Mas nunca deixamos de atender ninguém por falta de condições ideiais”, ressaltou Pedro Ernesto, afirmando que a “prioridade número um é reabastecer o hospital”.

 

Visita ao HFM (Foto: Carlos Grevi)

Visita ao HFM (Foto: Carlos Grevi)

Olhar clínico
Já o novo diretor clínico da unidade, Marcos Quintanilha, afirmou que o hospital tem absorvido pacientes que deveriam ser atendidos pelas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Ainda segundo Quintanilha, esses pacientes chegam ao HFM porque também não encontram atendimento nas UBSs. “O Ferreira Machado é um hospital de referência para trauma. A grande verdade é que a gente tem muito paciente aqui que não era para estar aqui. A principal reclamação do público é sobre a demora no atendimento. Mas, infelizmente, pacientes que poderiam ser tratados em Unidades Básicas e Postos de Saúde, por não terem atendimento adequado, acabam vindo para cá. A nossa demanda é de quase 500 pacientes por dia. Deste total, apenas 20% são casos de emergência, de forma que a maior parte destes pacientes deveria ser absorvida por outras unidades. Nosso intuito, agora, é resolver o máximo possível daquilo que o HFM pode fazer. O que não é trauma e emergência tem que ser encaminhado para as unidades adequadas”, ressaltou.

Após a visita, Rafael Diniz descreveu a situação da estrutura do HFM como “precária e abandonada”“Aquilo que se mostrava difícil, depois desta visita se mostra mais difícil ainda. O Centro Cirúrgico, que poderia estar funcionando, se encontra parado, servindo de depósito para equipamentos que não estão funcionando por falta de manutenção”, disse o prefeito, que prometeu outras visitas à unidade. Em seu discurso de posse, Rafael Diniz havia afirmado que a Saúde seria uma prioridade em seu governo.

“Logo após a vitória fui tomado por um sentimento de responsabilidade diante de tantos desafios que vamos ter pela frente. Não temos dúvida de que a Saúde merece atenção especial. Nos últimos anos, apesar dos orçamentos bilionários, nos deparamos com uma situação caótica: idosos dormindo no chão para marcar consultas, pacientes nos corredores, falta de itens básicos, medicamentos, insumos, descaso com os servidores e inadimplência. Sabemos que não será uma tarefa fácil, mas é possível, sim, fazer diferente. É hora de humanizar, ver os problemas de perto e não se esquivar das responsabilidades. É hora de garantir uma gestão eficiente, para a transformação da Saúde da nossa cidade”, disse.

No HFM, o prefeito reforçou seu compromisso em recuperar a Saúde, embora tenha ressaltado que qualquer ação tomada acontecerá dentro dos limites de investimento do município, o que chamou de “gestão responsável, sem promessas que não se possa cumprir”. Ele adiantou algumas iniciativas que pretende tomar para tentar amenizar o sofrimento da população diante do quadro de descaso herdado da administração anterior e afirmou que pretende investir nas UBSs e no programa Estratégia Saúde da Família (ESF) para desafogar o HFM. “Faremos um inventário de todas as necessidades, buscarei fazer um levantamento de toda a realidade da unidade e, dentro das possibilidades financeiras do município, atacar aquilo que é prioridade”, afirmou o Diniz.

Posse de Rafael Diniz (Foto: Carlos Grevi)

Posse de Rafael Diniz (Foto: Carlos Grevi)

Na veia, corre um sangue político histórico

“Muitos imaginaram que seria um sonho impossível, já que enfrentaríamos adversários considerados poderosos, mas desafiamos a lógica e estamos aqui agora, prontos para trabalhar e materializar os nossos sonhos”, disse Rafael Diniz em seu discurso de posse, que aconteceu na noite de domingo (1º), na Câmara de Vereadores. O novo prefeito agradeceu aos mais de 151 mil eleitores que o elegeram e que, segundo ele, “disseram ‘sim’ para a liberdade, para um futuro diferente e para a cidade que vai voltar a ser do campista”. Como já era esperado, a antecessora de Rafael, Rosinha Garotinho, não compareceu à Cerimônia.

Rafael afirmou que muitos problemas que ele irá enfrentar se deve por “falta de planejamento”. “Não há mais espaço para gestores personalistas, que pensam apenas em seus projetos pessoais e políticos. É hora de preparar a cidade para o futuro, para os próximos quatro anos, mas também para os próximos 20 anos”, declarou. Ele destacou ainda que a transparência “será um ponto fundamental” do novo modelo de gestão e, por esse motivo, iniciará uma série de auditorias para avaliar as condições financeiras do município. “Essa cidade é dos campistas e todos terão o direito de avaliar a aplicação de cada centavo”. A construção de uma “Campos independente” foi o principal ponto abordado pelo prefeito em seu discurso. De acordo com ele, “é necessário repensar uma Campos para além dos royalties, investindo em Agricultura, Ciência e Tecnologia, Turismo, Indústria e Comércio”.

O prefeito também citou a importância da Educação para a transformação do município. “Vamos romper com o modelo de política educacional centralizadora e autoritária e, para isso, vamos apostar na valorização dos profissionais, esses sim os verdadeiros heróis. E assim vamos criar uma escola inclusiva e emancipadora, garantindo ainda atividades extracurriculares, como, por exemplo, o ‘Escola-Bairro’, descobrindo novos talentos; a Olimpíada Municipal de Educação; a Internet das Escolas; e o Ensino Profissionalizante. E o principal: dar autonomia pedagógica, financeira e administrativa para as nossas escolas”, afirmou.

Quanto aos servidores públicos municipais, Rafael garantiu que “acabou essa história de servidor ser coagido, ameaçado ou perseguido nessa cidade; chegou a vez de valorizarmos verdadeiramente os nossos servidores”. O prefeito também disse que irá dar atenção especial à Saúde e aos cidadãos em situação de vulnerabilidade social. Rafael se dirigiu aos vereadores afirmando que pretende construir com eles uma relação de trabalho, harmonia e respeito. “Vossas excelências serão ouvidos independente de partido ou bancada, e terão um prefeito que vai apresentar e debater projetos e que vai saber ouvir. E quando virem um erro, por favor, de imediato, apontem. Tenho humildade para reconhecê-los e para seguir por um outro caminho quando for melhor para a nossa cidade”, frisou.

O prefeito agradeceu ainda ao seu partido, PPS; e aos partidos que compuseram a coligação, REDE Sustentabilidade e PV. Ele também prestou uma homenagem aos seus familiares, principalmente ao pai, Sérgio Diniz, e, durante a cerimônia, a avó de Rafael, dona Zaíra Barbosa; a mãe, Beatriz Diniz, e a esposa Carolina receberam buquês de rosas vermelhas. Ao final do discurso, Rafael Diniz lembrou que, há 50 anos, o seu avô, Zezé Barbosa, era empossado como prefeito de Campos pela primeira vez. “Quis o destino que o neto dele estivesse aqui hoje. Começamos um novo ciclo. Chegou a
nossa hora e agora já está sendo diferente”, concluiu.

Rafael Diniz e Marcão (Foto: Carlos Grevi)

Rafael Diniz e Marcão (Foto: Carlos Grevi)

Tendência é governo ter maioria na Câmara

Logo após a cerimônia de posse, ainda durante a votação da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores para o biênio 2017/2018, o novo cenário político do Legislativo já começou a ser definido: oito parlamentares demostraram tendência à oposição e os outros 17 parecem integrar a bancada da situação ou o bloco independente, o que deve garantir ao prefeito Rafael Diniz uma fácil governabilidade a partir de 15 de fevereiro, quando a Casa retoma suas atividades. Por 15 votos a 10, Marcão, o vereador mais votado, foi eleito o novo presidente da Câmara. Ele disputou com

Vinícius Madureira e levou a melhor. Para primeiro vice-presidente, José Carlos venceu Thiago Ferrugem por 16 votos a oito e uma abstenção. Jorginho Virgílio ficou com a segunda vice-presidência, com 17 votos e oito abstenções; Abdu Neme como

primeiro secretário, eleito por unanimidade; Enock Amaral, como segundo secretário, com 23 votos e duas abstenções; Pastor Vanderly levou a primeira suplência e Magal a segunda.

Na votação para a presidência da Casa, o vereador Jorginho Virgílio levantou uma polêmica ao revelar que foi obrigado pelo seu partido, o PRP, a votar em Vinicius Madureira, muito embora quisesse declarar seu apoio a Marcão. “Achei que a política da opressão tivesse acabado. Por determinação do partido, infelizmente, terei que votar em Vinicius Madureira para não correr o risco de perder meu mandato”,  denunciou Jorginho. No encerramento da sessão solene de instalação da Câmara 2017 e de posse dos eleitos em 2016, Marcão disse estar emocionado por ter dado posse ao amigo, agora prefeito, Rafael Diniz, e reafirmou seu compromisso em manter o Legislativo independente, respeitando as Constituições Federal e Estadual, a Lei Orgânica Municipal e o regimento interno da Casa.

“Reafirmo, hoje, meu compromisso com a ética na vida pública e recebo mais essa incumbência de ser presidente da Câmara com muita humildade e fé em Deus. Ser o vereador mais votado aumenta a minha responsabilidade e, por isso, agradeço aos campistas que me deram, mais uma vez, a honra de representar seus anseios”, finalizou Marcão, que ainda agradeceu o trabalho da Polícia Federal e Ministério Público Eleitoral, que, em sua opinião, “garantiram eleições honestas em nosso município e coibiram os abusos durante o pleito”. Mudança no roteiro — Por volta das 17h, horário previsto para começar a cerimônia, a Câmara foi notificada de que o desembargador de plantão Guaraci Campos Vianna deferiu pedido de liminar de antecipação de tutela que permitiu a posse dos até então suplentes Álvaro Oliveira (SD), Cabo Alonsimar (PTC), Carlos Alberto do Canaã (PTC), Geraldinho de Santa

Cruz (PSDB), Joilza Rangel (PSD) e Neném (PTB). Até este momento, estava prevista apenas a posse dos 19 vereadores eleitos: Abu (PPS), Alvaro Cesar (PRTB), Cecília Ribeiro Gomes (PT do B), Claudio Andrade (PSDC), Dr. Abdu Neme (PR), Enock Amaral (PHS), Fred Machado (PPS), Genásio (PSC), Igor Pereira (PSB), Jorge Magal (PSD), Jorginho Virgílio (PRP), José Carlos (PSDC), Marcão (Rede), Marcelo perfil (PHS), Pastor Vanderly Mello (PRB) e Silvinho Martins (PRP), Thiago Ferrugem (RP), Vinícius Madureira (PRP) e Roberto Pinto (PTC). Os seis suplentes assumiram as cadeiras de Jorge Rangel (PTB), Kellinho (PR), Linda Mara (PTC), Miguelito (PSL), Ozéias (PSDB) e Thiago Virgílio (PTC), afastados por suspeita de envolvimento no esquema que usava o Cheque Cidadão para compra de votos.

fotos-da-posse-rafael-diniz-1a-dama-marcao-41A elegância discreta da Primeira-Dama

Loira e discreta, a nova primeira-dama de Campos, Carolina Moura de Almeida, evitou os holofotes na Cerimônia de Posse de domingo (1º). Com maquiagem leve, blusa de alça, saia longa esvoaçante na cor off-white e sandália nude, ela optou pelo “simples e bonito”.

Foi o que disse quando questionada a respeito da escolha do look. A primeira-dama sentou em frente à plenária da Câmara ao lado da sogra, Beatriz Diniz; e da avô de Rafael, Zaíra Barbosa. As três estavam emocionadas com a posse do novo prefeito, mas, sobretudo, Carolina, que, ao contrário das outras duas mulheres, vivia aquele momento pela primeira vez. “Beatriz e Zaíra já tiveram um marido e um pai prefeito, agora é a minha vez. É tudo muito novo, mas aos poucos vou me acostumando”, disse, sorrindo. Na Cerimônia de Posse, Carolina foi homenageada e recebeu um bouquet de rosas vermelhas das mãos do vereador Fred Machado.

Casamento

Carolina tem 31 anos e é formada em Publicidade, Propaganda e Marketing pelo Centro Universitário Fluminense (Uniflu). A família dela e de Rafael são amigas de longa data e os dois se conhecem desde a infância. Eles namoraram por seis anos e se casaram em 2015 em uma Cerimônia católica que aconteceu durante o dia em uma capela no sítio que pertence à família da noiva, em Rio das Ostras.

O casamento foi celebrado pelo Padre Murialdo, da paróquia Sagrado Coração de Jesus, que levou um vinho dado pelo pai de Rafael, Sérgio Diniz, há 10 anos. O padre guardou segredo sobre a garrafa até o momento da cerimônia. Na ocasião, a família dos noivos ficou emocionada com a surpresa.